Arron Jordan

O que é preciso para transformar os transportes do Brasil?

Atualmente, organizações privadas, startups e instituições de pesquisa, como a Embrapii, trabalham direta ou indiretamente para o desenvolvimento de soluções inovadoras e mais eficientes para os transportes no Brasil. Afinal, esse é um dos setores que mais apresentam gargalos no país.

No entanto, com as dificuldades também podem surgir oportunidades de melhorias. Para isso, existem algumas medidas que podem ser aplicadas pelas empresas privadas que podem trazer inovações para o panorama nacional.

Separamos algumas sugestões adiante. Não deixe de conferi-las!

Investir em modalidades de transporte distintas
Para começar, é preciso diversificar os modais mais usados no Brasil, que ainda é muito dependente do transporte rodoviário. Para se ter uma ideia, em termos de logística e movimentação de cargas, a estimativa de valor do frete hidroviário pode ser, dependendo da situação, até 60% mais barato do que o valor do frete rodoviário. No entanto, somente 5% do transporte de cargas é feito pelos rios.

Isso ocorre por uma série de motivos, como falta ou baixo nível de investimentos em diferentes modais de transporte e aplicação inadequada desses recursos. Portanto, para melhorar o transporte no país, é essencial investir não só no modal hidroviário, mas também em outros, como no ferroviário e no dutoviário.

Buscar inspiração em modelos de transportes de outros países ou empresas internacionais
A busca por tecnologias e sistemas de transporte mais eficientes é um dos principais desafios das grandes metrópoles mundiais. Para solucionar esse problema, muitos países vêm desenvolvendo novas soluções de locomoção ou, ao menos, testando alternativas bem criativas.

Um exemplo foi o do ônibus que passava por cima dos carros, na China. Além dele, atualmente há várias organizações no mundo desenvolvendo modelos de veículos que voam com inspiração no funcionamento de drones.

Realizar parcerias com centros de pesquisa, universidades e empresas voltadas à inovação industrial (Embrapii)
Também é importante que as empresas de transporte ou que queiram atuar na área firmem parcerias com centros de pesquisa, universidades e outras instituições que atuam com estudos e desenvolvimento de novas tecnologias. A sinergia de esforços entre várias equipes pode gerar um cenário propício para a construção de soluções de mobilidade inovadoras e eficientes.

Um exemplo é a Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii), que atua no desenvolvimento de tecnologias em diversas áreas. No setor automobilístico, ela foi aprovada como coordenadora de um PP (Programa Prioritário) direcionado ao atendimento das necessidades da cadeia de fornecedores da área de logística e mobilidade. A aprovação foi feita pelo Conselho Gestor do Rota 2030.

O propósito é fortalecer as operações de PD&I (pesquisa, desenvolvimento e inovação) desse setor produtivo do Brasil, com os recursos investidos no programa. Mas esse caso da Embrapii é só um dos exemplos de projetos que podem ajudar na criação de novas soluções de transporte. É importante buscar outros e, na medida do possível, solicitar ao poder público a criação de mais a fim de fortalecer os transportes em território nacional.

Estudar condições melhores para as soluções digitais que ajudam na mobilidade urbana
Hoje em dia, passamos por uma revolução em termos de mobilidade graças aos aplicativos que permitiram compartilhar veículos de transporte ou oferecer serviços de locomoção simplificados. Veja alguns exemplos:

utilizar serviços de motorista particular de carros (Uber, 99, Cabify);

conseguir caronas (BlaBlaCar, Waze Carpool);

alugar bicicletas (Yellow, Bike Itaú);

alugar patinetes elétricos (Green, Yellow);

fretamento coletivo para viagens intermunicipais (Buser).

É importante desenvolver uma regulamentação que fomente o uso dessas soluções enquanto alia os direitos e interesses de profissionais, usuários e empresas de tecnologia. Além, é claro, de considerar o que é melhor, em termos de transporte, para as cidades brasileiras.

Por fim, vale reforçar que transformar os transportes no Brasil demanda planejamento e incentivo a soluções inovadoras, como o caso do projeto coordenado pela Embrapii. Nesse sentido, as empresas também precisam de disposição para investir recursos (dinheiro, esforço e tempo) na área, bem como é necessário paciência até que as soluções desenvolvidas gerem bons retornos não só econômicos, como também sociais.

Compartilhe este conteúdo nas suas redes sociais para que seus amigos e demais contatos também conheçam as dicas para transformar o transporte do país!

Arron Jordan

5 atividades para distrair o seu filho durante uma viagem

Viajar com crianças é algo que sempre traz uma preocupação extra, já que dificilmente conseguimos prever o comportamento dos pequenos. É normal que eles se sintam impacientes, principalmente se o trajeto implica em passar várias horas na mesma posição (o que ajuda a aumentar a monotonia).

Porém, é possível contornar essa situação com algumas atividades, que incluem o desenho para colorir e até mesmo a criação de histórias. Quer saber quais são elas? A seguir, listamos 5 opções para ajudar você a distrair os pequenos. Confira!

1. Desenho para colorir

O desenho para colorir é uma excelente opção mesmo para os pequenos que ainda não foram alfabetizados. Basta ter com um livro próprio para isso ou contar com desenhos para imprimir em casa mesmo, algum apoio mais firme e uma caixa de lápis de cor. Assim, consegue-se manter as crianças distraídas por um bom tempo.

Se a viagem é feita de carro, você pode usar um organizador de plástico preso na parte de trás do banco do carona. Assim, eles têm tudo ao alcance de forma bem fácil (e isso também pode incluir brinquedos).

2. Livros e revistinhas em quadrinhos

Apostar em livros infantis e revistinhas em quadrinhos (como a Turma da Mônica) é uma excelente ideia. Se a criança ainda não souber ler, essa tarefa pode ficar por sua conta — como bônus, isso ainda ajuda a estreitar as relações familiares.

3. Adivinhação

Para as crianças um pouquinho maiores, é possível fazer um jogo de adivinhação. Vocês podem combinar de contar quantos carros vermelhos serão vistos no percurso, quais atrações devem ter na cidade de destino, entre outras coisas.

Também existe a opção — caso a criança já seja alfabetizada — de sortear letras e citar nomes (de pessoas, objetos, animais ou lugares, por exemplo). Sempre que uma palavra repetida surgir, muda-se a letra ou a categoria.

Nesse caso, fica um jogo parecido com adedanha, adedonha ou stop. Como essa brincadeira é chamada na sua região?

4. Criar histórias

Mais um exercício de criatividade que pode se tornar bem divertido. Você começa com uma frase e as outras pessoas presentes continuam a história, cada um contando um pedacinho. No final das contas, pode sair algo muito legal ou “sem pé, nem cabeça”. O importante é dar muita risada e tornar o ambiente mais descontraído.

5. Eletrônicos

No final das contas, se não houver mais opções para distrair seu filho (ou filha), você pode recorrer aos eletrônicos, como um tablet, smartphone ou videogame portátil. Como geralmente não há sinal de telefonia e 4g em alguns pontos da estrada, o ideal é fazer o download de alguns materiais (desenhos, filmes e séries) no aparelho. Dessa forma, eles possam ser acessados mesmo sem internet — a Netflix, por exemplo, oferece essa opção.

Qual é a sua dica preferida? A do desenho de colorir, a de história, ou você já se rendeu aos eletrônicos pela praticidade? Independentemente do método utilizado, essas estratégias podem fazer toda diferença na hora de distrair as crianças na viagem, tornando o percurso menos cansativo para toda a família.

Gostou das opções? Que tal compartilhar este conteúdo em suas redes sociais? Deixe de outros pais e responsáveis conheçam as atividades e tenham mais opções para usar nos passeios!

Arron Jordan
projetos sociais

Os 4 projetos sociais mais relevantes

Os projetos sociais ajudam a modificar a realidade de inúmeras pessoas no Brasil e no mundo. Várias dessas inciativas, inclusive, ganham prêmios e destaque na mídia por seu caráter inovador ou pelo impacto que possuem.

Engana-se quem pensa que é preciso grandes inciativas. Na verdade, pequenas ações colaborativas e a vontade de ajudar são suficientes para transformar uma ideia em um projeto social.

Tem vontade de modificar a sociedade, mas não sabe como? Separamos os principais projetos do terceiro setor que você precisa conhecer.

  1. Água Pura

Infelizmente, muitas pessoas (principalmente crianças) ainda sofrem com as consequências da falta de saneamento básico e água potável. Essa é a realidade de várias famílias brasileiras que vivem em áreas sem rede pública de esgoto ou tratamento de água.

Nessas regiões, é comum o aumento de problemas de saúde como diarreias, vômitos, infecções por parasitas, inflamações intestinais, entre outros. Para reduzir essa situação, o Childfund (uma ONG internacional e que atua no Brasil) em parceria com a P&G tem ajudado a modificar a vida de várias pessoas no Vale do Jequitinhonha.

O projeto social “Água Pura para Todos” foca na distribuição de sachês que ajudam a purificar a água consumida pelas crianças e suas famílias. Cada sachê de apenas 4g é capaz de purificar até 10 litros de água.

Para se ter uma ideia da importância dessa iniciativa, de acordo com os dados da Unicef, no Brasil, 6,2 milhões de pessoas não têm acesso a água potável em casa e 29 milhões não dispõem de um saneamento adequado.

  1. ProTransplante

Esse projeto busca ajudar a recuperação de pacientes transplantados e foi idealizado por Maurício Galvão, professor da área de medicina da UnP (Universidade Potiguar).

A organização oferece atendimento a pacientes transplantados com diversos tipos de serviços de saúde, como atendimento psicológico, fisioterápico e de enfermagem.

Além disso, os voluntários se dedicam à realizarem ações educacionais para esclarecer as principais dúvidas sobre os transplantes. Desde o seu início, o projeto já atendeu mais de 6 mil pessoas, inclusive auxiliando aqueles que estão na fila de espera por um órgão.

  1. Pedala Manaus

Esse é um exemplo que mostra que para transformar a sociedade não é preciso grandes atitudes, apenas boas ideias. O “Pedala Manaus”, como o próprio nome sugere, busca incentivar o uso da bicicleta como meio de transporte e não apenas uma opção de lazer.

Assim, a ideia é reduzir a emissão de gás carbônico e todos os impactos trazidos pelo aumento do número de automóveis. Para isso, o programa, que conta com mais de 4 mil adeptos, organiza aulas sobre mobilidade urbana para os alunos da educação infantil e também grupos de ciclista em Manaus e nas cidades próximas.

  1. Animador Comunitário

Mais um projeto realizado pela ONG Childfund Brasil e que merece destaque na nossa lista. Ele visa formar agentes de transformação das próprias comunidades para atuarem de maneira mais articulada junto às famílias da região.

O programa “forma” animadores comunitários que são mães, jovens, pais ou líderes que se voluntariam para agirem como multiplicadores e articuladores, fortalecendo os vínculos familiares e comunitários e contribuindo para a construção de uma sociedade mais justa e melhor.

projetos sociaisOs animadores passam por treinamentos, oficinas e reuniões de modo a se tornarem aptos para visitarem as famílias, identificarem problemas e promoverem mais conscientização no núcleo familiar sobre diversos temas como prevenção às drogas, cuidados com a saúde, frequência escolar, etc.

Como você viu, existem vários projetos sociais que estão ajudando a modificar a realidade de diversas pessoas no Brasil. Você gostou de descobrir essas iniciativas? Aproveite e compartilhe este conteúdo nas suas redes sociais!

Arron Jordan

5 inovações nos meios de transporte brasileiros

Desde a invenção da roda, os meios de transporte não param de evoluir. De um ser nômade que se deslocava a pé por grandes distâncias, o ser humano passou a se tornar um inventor, capaz de criar a bicicleta, o trem, o carro, o barco e o avião.

O Brasil é um país de proporções continentais, o que faz com que o assunto locomoção se torne ainda mais importante. Será que existem inovações que ajudam a tornar mais simples o deslocamento de pessoas nas cidades e também de cargas? Continue a leitura e descubra os principais destaques.

  1. Aplicativos

Essa é a era da inovação por meio da tecnologia, e claro os aplicativos são os que mais crescem. Afinal, a maioria das cidades brasileiras contam com coberturas de soluções colaborativas como o Uber e o 99, além de outras conveniências que também usam os meios de transporte, como o iFood.

Para os viajantes, o Waze e o Google Maps são verdadeiras “mãos na roda”, ajudando a encontrar qualquer endereço e popularizando a navegação via GPS.

  1. Passagem de ônibus fácil

Viajar de ônibus era sinônimo de dor de cabeça para muitas pessoas. Afinal, nem sempre era fácil descobrir os horários e itinerários das linhas, além das viações disponíveis.

Hoje muitas plataformas oferecem uma vasta quantidade de informações totalmente em tempo real, como: comparativo de preços, disponibilidade de assentos, sugestões de rota e até opções de compra online, sem filas e nem transtornos. Também há plataformas como o aplicativo Buser que funciona como fretamento de ônibus.

  1. Cruise Control

Também chamado de “piloto automático”, o cruise control está cada vez mais popular, deixando de aparecer apenas nos modelos de luxo e sendo encontrado também em versões compactas.

Quando usada corretamente, essa tecnologia possui muitas vantagens, como a redução no consumo de combustível e a necessidade de manutenção do carro, algo essencial para quem viaja muito ou para frotas de veículos, por exemplo.

  1. Otimização de cargas

A economia colaborativa está expandindo a sua atuação para diversos pontos – até mesmo para o transporte de cargas. Essa é a ideia de algumas empresas que trabalham criando uma plataforma de compartilhamento de baús de caminhão.

Assim, é possível cotar fretes mais baratos e contribuir para uma melhor ocupação dos veículos de carga, tornando mais fácil a operação dessas empresas e também a vida de quem precisa distribuir seus produtos pelo país.

  1. Pagamento automático nos pedágios

Embora tenham surgido na década de 2000, foi só a partir dos últimos anos que esses sistemas se tornaram mais populares e acessíveis, principalmente com o crescimento das empresas fornecedoras dessa tecnologia.

A conveniência e as facilidades trazidas para os usuários, aliado ao valor mais baixo dos TAGs, também ajudaram a tornar essa solução mais popular, evitando as filas nos pedágios e trazendo mais segurança para os motoristas nas rodovias.

O que todas essas inovações têm em comum?

Como dissemos, o ser humano não para de evoluir. Desde a invenção da roda até o avião, muito foi feito para a melhoria dos meios de transporte. E, no Brasil, muitas pessoas têm inovado para tornar ainda mais fácil a vida de vários brasileiros.

Inovar faz parte das características naturais da humanidade, mas existem algumas técnicas e ferramentas que auxiliam a expandir a criatividade e a busca por soluções, como é o caso do Design Thinking – especialidade da Echos, uma escola brasileira e diferenciada focada em ensinar pessoas e empreendedores a inovarem.

Se você trabalha com o setor de transportes, já notou que o meio rodoviário é o mais importante para o Brasil – e também o que apresenta mais dificuldades em termos de logística, não é mesmo? Por isso buscar por soluções como essas que mostramos é tão importante e uma forma de se conseguir isso é por meio do Design Thinking.

Você gostou de descobrir as principais inovações nos meios de transporte brasileiro? Aproveite e compartilhe este conteúdo com os seus amigos!

Arron Jordan
empresas-areas-falidas

5 Empresas aéreas que faliram no Brasil

O Brasil tem paixão pela aviação — que o diga Santos Dumont — e já teve diversas empresas aéreas que marcaram a história. Contudo, algumas não resistiram a pressão da concorrência ou as crises que nosso país já enfrentou e acabaram falindo. Umas são famosas, outras não muito conhecidas, mas todas deixaram sua marca naqueles que trabalharam e utilizaram seus serviços por anos.

Vejamos agora algumas das companhias que já foram bem-sucedidas, mas tiveram que pedir falência. Confira!

1. Cruzeiro do Sul

Começou como uma filial da alemã Condor Syndikat, sendo chamada inicialmente de Syndicato Condor, então, após o fim da segunda guerra, recebeu o nome de Cruzeiro do Sul. Iniciou sua operação em 1927 e se manteve por muito tempo como uma das maiores empresas áreas do país, contudo, a Cruzeiro não resistiu à concorrência da Transbrasil, Vasp e Varig no começo dos anos 1970. Depois de diversas crises, em 1975, ela teve que ser vendida e se tornou subsidiária da Varig.

2. Transbrasil

Fundada com o nome de Sadia S.A. Transportes Aéreos, em 1955, por Omar Fontana — filho do fundador da Sadia, Attilio Fontana — que iniciou a operação para transportar carne de Santa Catarina para São Paulo. Em 1973, Omar abriu o capital da empresa e mudou o nome para Transbrasil S.A Linhas Aéreas. Na década seguinte, a companhia sofreu duras perdas devido às crises econômicas, tentou se recuperar nos anos 1990, mas após a morte de Omar em 2000, a empresa entrou em um caminho sem volta, decretando falência em 2002.

3. Varig

A Viação Aérea Rio-Grandense, foi a primeira empresa do ramo a ser fundada no Brasil, em 1927, pelo alemão Otto Ernst Meyer. Também, foi uma das mais famosas companhias aéreas, sobretudo nos anos 1950 a 1970, e chegou a ter 59 destinos e diversas subsidiárias na época da sua desativação. Após os atentados de 11 de setembro de 2001, uma crise global atingiu a aviação comercial e, na mesma época, foram fundadas duas concorrentes de peso, a LATAM e a Gol, a empresa tentou resistir por alguns anos, mas em 2007 foi vendida para a Gol.

4. Panair

Essa companhia nasceu como subsidiária da americana NYRBA, em 1929. No ano seguinte, foi incorporada pela Pan Am, que alterou o nome para Panair do Brasil, e se tornou a principal empresa do setor até 1950. Por volta dessa época, ela foi perdendo mercado nacional para a concorrência, principalmente para a Varig, porém, acabou sendo vendida para os donos da Rede Excelsior. Após o início da ditadura militar, a companhia teve suas operações aéreas interrompidas pelo governo, em 1965, que também impôs falência para a empresa quatro anos depois.

5. Vasp

Iniciou seus voos em 1933, contudo, dois anos depois a empresa precisou pedir ajuda do Governo do Estado de São Paulo, devido a problemas financeiros. Então, ela foi estatizada e recebeu uma injeção de capital para se recuperar, com isso, foi se consolidando nas décadas seguintes e estabeleceu diversas linhas. Foi novamente privatizada, em 1990, e começou uma expansão internacional que não conseguiu sustentar, acumulando diversas dívidas e perdendo mercado. Assim, a VASP encerrou as operações em 2005 e, em 2008, teve sua falência decretada.

Como visto, o Brasil possui uma história repleta de empresas aéreas sérias e de qualidade, mas que, infelizmente, não sobreviveram a pressão e tiveram que encerrar suas atividades. Apesar disso, elas foram muito importantes para a evolução do serviço aéreo no nosso país, seja com aeronaves, linhas, profissionais, estrutura, conhecimento e mais uma série de fatores que ajudaram a formar aviação brasileira atual.

Se você gostou de saber um pouco da história dessas companhias aéreas, compartilhe este artigo nas suas redes sociais e mostre aos seus contatos como ela é interessante!

Arron Jordan

As 6 maiores empresas de transporte do Brasil

Nosso país depende muito das empresas de transporte e seus motoristas, juntos, eles atravessam estradas para fornecer os mais diversos produtos. Algumas dessas companhias são exemplos de dedicação ao serviço, confiança, apoio aos colaboradores e uma frota respeitável. Vamos conhecer agora um pouco da história de algumas das maiores transportadoras do Brasil. Confira!

1. Hungaro Transportes

Tendo como proprietário Rômulo Hungaro e sede em Maringá (PR), iniciou suas atividades em 1994 e, hoje, atua em todo o território nacional. Com uma frota de cerca de 2.200 unidades, ela atende diversos setores, como industrial, químico e é uma das principais do transporte no agronegócio. Recentemente, expandiu sua operação para a venda de veículos comerciais, por meio da Seminovos Hungaro.

2. Martelli Transportes

Com sede na cidade de Jaciara (MT), foi fundada por Luiz Martelli e, hoje, é presidida por seu irmão Genir Martelli. A empresa atua com o transporte de cargas em todo o país e possui uma frota de, aproximadamente, 3.500 unidades, uma das maiores do Brasil. Especializada no carregamento de grãos, ela é, atualmente, uma das gigantes nesse setor.

3. JSL S/A

Fundada na década de 1950 pelo empresário Júlio Simões, que dava nome à empresa, tem sede no município de Mogi das Cruzes (SP). Começou com o transporte de hortifrutigranjeiros, agora, ela atua com diversos tipos de cargas, logística, aluguel de máquinas e veículos, viagens e coleta de lixo. Presidida por Fernando Antônio Simões, possui uma frota de cerca de 6.500 unidades e opera por todo o território brasileiro e quatro países do Mercosul.

4. Transpanorama Transportes

Criada em 1986 pelos irmãos Valdecir e Cláudio Adamucho, que ainda são proprietários, tem uma frota próxima de 2.000 unidades. Já atuou no carregamento de hortifrutigranjeiros no estado de São Paulo e madeiras no Mato Grosso. Atualmente, é especializada no transporte de grãos, líquidos, baús e presta serviços para os Correios. Ela tem destaque com a expansão e lançamento do Grupo G10 e no desenvolvimento, junto com a Scania, do caminhão 8×2.

5. Expresso Nepomuceno

Em operação há mais de 57 anos, essa empresa é voltada para o serviço de transporte e logística customizadas, a fim de atender clientes de diversos setores. De propriedade do empresário Agnaldo de Souza Filho, possui cerca de 2.000 unidades e é uma das principais do setor de logística do país, com uma grande estrutura, que inclui várias filiais em todo o Brasil.

6. Transportes Bertolini

Fundada na década de 1940 por Eugênio Bertolini, pai do atual proprietário Irani Bertolini. Ela faz transportes em diversos estados brasileiros. Com destaque para a região de Mananus, na qual é responsável pela maior parte dos carregamentos, além de atuar também no mercado internacional. Hoje, ela conta com, aproximadamente, 2.200 unidades, sendo uma das maiores frotas do país.

Como vimos, o Brasil deve muito a essas grandes empresas de transporte, que empregam muitos trabalhadores e conduzem nossas riquezas para muitos lugares pelo mundo afora. Esperamos que esse setor possa crescer ainda mais e alcançar lugares ainda mais distantes.

Se você conhece outras transportadoras ou já trabalhou em alguma dessas, escreva um comentário e deixe sua opinião!